Diabetes em Gatos – Como diagnosticar e de que forma tratar – Centro Veterinário do Anil

Diabetes em Gatos – Como diagnosticar e de que forma tratar

A diabetes em gatos não costumava ser muito comum, mas vem sendo cada vez mais diagnosticada.

A diabetes é uma doença que vem crescendo e preocupando os humanos, os levando a procurar uma vida mais saudável. Mas o que nem todo mundo sabe é que a diabetes tanto do tipo 1 quanto do tipo 2 vem crescendo dentro do mundo animal também, principalmente entre os gatos, e esse é um problema tão grave quanto em humanos.

diabetes mellitus é uma doença que vem afetando cada vez mais os gatos, e suas causas e sintomas são os mesmos que nos humanos. A diabetes em gatos é uma doença que afeta a produção de insulina do pâncreas do bichinho, que acaba por produzir menos do que devia. Além das vitaminas e proteínas necessárias para a nutrição do gatinho, seu corpo também absorve carboidratos que acabam se transformando em açúcares, como a glicose. A insulina ajuda a célula a transformar a glicose em energia, e com a falta dela, essa glicose acaba se instalando na corrente sanguínea e causando hiperglicemia.

A diabetes felina está mais associada a gatos idosos ou acima do peso (por isso a incidência é maior em machos castrados), mas está cada vez mais comum gatos jovens e saudáveis serem diagnosticados com a doença. Então, assim como com os humanos, a diabetes em gatos está relacionada à uma pré-disposição do organismo, combinada com má nutrição, obesidade e sedentarismo.

Sem tratamento, a doença pode causar outros problemas com o passar do tempo, como a má mobilidade das patas e perda de massa muscular. Isso pode acarretar outros problemas sérios ao organismo do bichinho por ele ficar mais fraco, então esteja atento.

 

Diagnóstico e tratamento rápidos são cruciais

Para os felinos a diabetes também pode ter o tipo 1 tipo 2, mas a maioria dos casos em gatos tem o diagnóstico de tipo 2. A diferença entre ambas é o funcionamento do pâncreas, na tipo1 o órgão praticamente para de funcionar, e na tipo 2 a produção de insulina é insuficiente.